Com um bom planejamento financeiro, sair do aluguel se torna um sonho possível e, melhor ainda, facilmente alcançável. O segredo está em encontrar um imóvel bem localizado, com boa infraestrutura e que caiba no orçamento doméstico. Por isso, é preciso estar atento às oportunidades do mercado imobiliário.

Neste post, conheça os diferenciais de morar em um apartamento pequeno — tendência que veio para ficar — e veja se esse estilo de moradia faz jus aos desejos e necessidades da sua família!

Quais são os perfis ideais de moradores para viver em imóveis enxutos?

Existem, pelo menos, três perfis de moradores que se encaixam, perfeitamente, com o dia a dia em um apartamento pequeno. São eles:

  • jovens solteiros em plena ascensão profissional — como passam a maior parte do tempo fora, dividindo-se entre o trabalho, o estudo e o lazer, o imóvel serve principalmente como dormitório. Para eles, mais importante do que o tamanho é a localização;
  • recém-casados — ainda sem filhos, têm uma vida agitada e precisam de um imóvel que lhes ofereça conforto e praticidade. Imóveis com ambientes integrados, além de serem ideais para receber os amigos, destacam-se por serem mais fáceis de limpar e organizar;
  • famílias pequenas — casais com até dois filhos são os mais beneficiados e que melhor aproveitam os apartamentos pequenos. Afinal, além do valor acessível e localização privilegiada, esses imóveis têm segurança reforçada (com sistemas de vigilância e portaria 24 horas) e contam com infraestrutura de lazer completa, agradando a todos.

Quais são as principais vantagens de morar em um apartamento pequeno?

Há tempos que morar em um apartamento pequeno deixou de ser sinônimo de viver em um local apertado.

Hoje em dia, graças aos projetos arquitetônicos com ambientes integrados (com vãos e aberturas que privilegiam a insolação e a ventilação natural) e um mobiliário multiuso e funcional, a sensação de amplitude é garantida mesmo nas menores metragens.

Confira, a seguir, motivos que ajudam a entender o que tem levado cada vez mais pessoas a aderirem a esse estilo de moradia.

Preços mais atrativos e economia futura

Morar em um apartamento pequeno significa morar em um imóvel melhor localizado, do ponto de vista da mobilidade (considerando as opções de transporte disponíveis) e da ampla rede de comércios e serviços do entorno, a um custo mais acessível.

Ao mesmo tempo, por reunirem diversas unidades habitacionais em um mesmo prédio, o custo com a taxa condominial costuma ser bem menor do que em imóveis amplos, graças ao rateio entre um maior número de moradores.

Considere, ainda, a economia decorrente da redução nos custos mensais com passeios, academias de ginástica e outros.

Como boa parte dos empreendimentos tem assumido o status de condomínio-clube, toda a família pode se divertir e cuidar da saúde e da qualidade de vida nas áreas de uso comum do prédio, ou seja, sem sequer precisar sair de casa.

Por fim, as contas mensais (principalmente de luz, pois há menos cômodos para ficarem acesos ou serem refrigerados) e o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU, que leva em consideração a dimensão do imóvel) são menores.

Mudanças menos complicadas

Esqueça o pesadelo de pilhas de caixas de papelão que levam muito tempo para serem desfeitas. O mesmo vale para objetos sem uso, brinquedos quebrados, eletrodomésticos queimados e outros itens que só servem para acumular pó.

Em um apartamento pequeno, não há espaço para excessos e desorganização. Por isso, a mudança deve ser planejada com antecedência e somente o que está em bom estado e tem utilidade deve ser levado para a casa nova.

O restante pode ser vendido, doado ou descartado — depende do estado de conservação de cada peça. Assim, a mudança se torna mais rápida, simples e menos cansativa.

Limpeza e organização práticas

Não existe satisfação maior do que dar conta de fazer a faxina semanal e arrumar o lar por conta própria e levando, no máximo, meio período.

Ao morar em um apartamento pequeno, tudo colabora para que você e sua família tenham mais tempo livre. Como não há espaço para acúmulo de “tranqueiras”, a limpeza flui facilmente.

Além disso, as crianças aproveitam os playgrounds, as quadras, as piscinas e outros locais de uso coletivo para brincarem com os amigos, voltando para a casa com a energia gasta e, portanto, sem pique para fazer bagunças e sujeiras.

Conforto e aconchego garantidos

Com menos espaço, os moradores optam por móveis multiúso (como sofás-camas, beliches ou treliches) e funcionais (como mesas dobráveis ou extensíveis), para que possam receber visitas sempre que desejarem.

Além disso, fazem uso da marcenaria embutida para aproveitar ao máximo o pé direito e os cantos entre as paredes, aumentando os compartimentos para guardar roupas, jogos de cama, mesa e banho, brinquedos, livros e outros objetos.

O aconchego fica por conta de um bom projeto luminotécnico, o qual permite variar a iluminação entre tons quentes e frios; da cozinha integrada às salas de estar e jantar, o que estimula a interação; e dos acessórios que deixam o lar com a cara da família.

Valorização em longo prazo

Dois fatores principais são levados em conta quando se objetiva estimar o potencial de valorização de um imóvel em longo prazo: a região na qual se insere e o seu estado de conservação.

Na maioria dos apartamentos pequenos, a localização costuma ser privilegiada ou se torna ao passar dos anos, por conta da atração que o condomínio exerce sobre os empreendedores (tanto na área de comércio como de serviços).

Ao mesmo tempo, não há depreciação das fachadas externas, dos elevadores e das áreas de uso comum, pois a manutenção é feita pela zeladoria, o que ajuda a aumentar o valor do patrimônio no mercado imobiliário.

Dentro do apartamento, os custos com reparos e reformas, como troca de revestimentos e pinturas, são mais baixos, já que as medidas são enxutas, tornando-o um ótimo investimento.

Qual é o momento mais adequado para investir na aquisição da casa própria?

A melhor hora para investir na compra de um imóvel é quando as dívidas estão sob controle e existe uma boa reserva financeira para dar como entrada, de modo a diminuir o número de parcelas do financiamento.

Assim, tenha em mente que sair do aluguel e oferecer mais qualidade de vida para a sua família é possível e está mais perto do que você imagina.

Agora que você conhece as vantagens de morar em um apartamento pequeno, não perca mais tempo e entre em contato conosco. Teremos prazer em esclarecer suas dúvidas e mostrar alguns empreendimentos do tamanho dos seus sonhos!