Ter estabilidade financeira é muito mais do que conseguir manter o pagamento das contas em dia. Na prática, o equilíbrio orçamentário fomenta a capacidade de crescer na vida, bem como de realizar as necessidades e desejos dos familiares. Por isso é tão importante batalhar para alcançá-lo!

Nesta luta, a maioria das pessoas considera como indispensável ter um bom emprego; acertar ou, ao menos, renegociar possíveis dívidas; bem como cortar ao máximo os gastos supérfluos. Poucas, porém, pensam nas vantagens de sair do aluguel — o qual é responsável por consumir boa parte dos orçamentos domésticos.

Neste artigo, veja como adquirir a casa própria pode contribuir para alcançar a estabilidade financeira, ajudar a economizar e ainda permitir a construção de um patrimônio com potencial de valorização para sua família! Continue a leitura e confira.

Como é possível alcançar a estabilidade financeira?

Para alcançar a estabilidade financeira deve-se, primeiramente, investir na própria educação. O Sebrae, por exemplo, disponibiliza cartilhas online gratuitas para educar pequenos empresários interessados em melhorar sua gestão.

Aproveite os conhecimentos adquiridos e estenda as boas práticas financeiras para o universo doméstico, transmitindo o hábito de poupar e investir nos filhos e cônjuge. Com a colaboração de todos, a estabilização financeira é atingida mais rapidamente, tornando-se sustentável, inclusive, em longo prazo.

Também é importante fazer o dinheiro render, aplicando as economias em fundos de investimentos — os quais são mais rentáveis do que a poupança. Os mais procurados, por quem busca segurança e liquidez, são os títulos do Tesouro Direto e os Certificados de Depósito Bancário (CDBs).

Se preferir arriscar em retornos mais altos, como comprando e vendendo ações na Bolsa de Valores, vale a pena contar com a assessoria de um consultor financeiro.

Por fim, faça um seguro de vida. A apólice serve tanto para assegurar a estabilidade financeira da família após sua morte ou em decorrência de invalidez, como pode ter seu valor resgatado ainda em vida, proporcionando-lhe uma aposentadoria melhor.

Por que é importante planejar o orçamento doméstico?

O orçamento familiar permite visualizar, com mais clareza, onde é possível reduzir ou, até mesmo, eliminar gastos — aumentando a economia no final do mês. Para funcionar, é preciso colocar todas as receitas (salários, comissões, benefícios etc.) e despesas (contas fixas e gastos variáveis) em uma planilha, a qual pode ser feita no papel, no Excel ou em aplicativos de finanças para smartphones.

Sempre que for às compras, estabeleça prioridades e avalie a real necessidade, pesquisando preços, optando por alternativas com melhor custo/benefício e procurando pagar à vista. Assim, em vez de desperdiçar recursos com itens supérfluos, é possível adquirir bens muito mais importantes, como dar entrada na casa própria.

Como um imóvel próprio gera mais equilíbrio financeiro?

Trata-se de uma relação direta. Não ficar à mercê dos pesados aluguéis, cujos valores ainda podem ser reajustados, de tempos em tempos, contribui para uma maior estabilidade financeira e, consequentemente, uma maior satisfação pessoal.

Dessa forma, morar em uma casa própria significa investir no que é seu. Enquanto o dinheiro do aluguel se esvai, o de um financiamento retorna em forma de investimento — lembrando que, se bem cuidado, o imóvel se valoriza ao longo do tempo.

Além disso, vale destacar que, muitas vezes, a parcela de um financiamento é igual ou menor do que a mensalidade do aluguel. Para isso, basta que o futuro proprietário encontre o imóvel certo para o seu perfil.

Como conquistar o sonho da casa própria?

Hoje em dia, o financiamento imobiliário é a alternativa mais usada para adquirir a casa própria, afinal, poucas pessoas conseguem se capitalizar para comprar um imóvel à vista.

Ainda assim, a melhor estratégia é dar o maior valor de entrada possível, para diminuir a quantidade e o custo das parcelas financiadas. Quanto mais rápido o financiamento for quitado, menor será a incidência de juros.

A possibilidade de usar o saldo de contas vinculadas ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para abater no saldo devedor também é uma ajuda valiosa na diminuição das futuras prestações.

Para facilitar, muitas pessoas optam por comprar apartamentos na planta (na fase de pré-lançamento ou de construção). Além de os preços serem mais baixos do que os de imóveis prontos, as construtoras aceitam o pagamento parcelado da entrada. Assim, o financiamento bancário tem início somente após a entrega das chaves. Ou seja, quando começar a pagá-lo, você e sua família já morarão no imóvel.

O que observar para acertar na escolha do imóvel?

Avalie a região, verificando se fica próxima aos locais de trabalho e/ou estudos frequentados pelos familiares ou se é bem assistida por linhas de transporte público — o que lhe proporcionará economia de tempo e dinheiro. Para quem tem veículo próprio, é indispensável verificar se o imóvel tem garagem.

Verifique também o tempo da construção. Imóveis novos, especialmente apartamentos, reúnem uma série de comodidades para seus moradores, além de dispensarem grandes reformas antes de serem ocupados.

Já para se decidir entre casa ou apartamento, considere o estilo de vida da sua família. Apartamentos, apesar de implicarem no pagamento da taxa condominial, trazem uma série de benefícios que, se somados, implicam em uma boa economia.

Por exemplo, os gastos com lazer são reduzidos, pois todos se divertem nas quadras, piscinas e áreas verdes; gastos com academias de ginástica também são cortados, pois os condomínios contam com espaços para a prática de atividades físicas; etc.

Isso sem falar na economia de tempo e dinheiro com transporte (principalmente, com combustível e estacionamento) ao realizar as atividades no próprio condomínio.

Também há a economia em relação à manutenção da fachada e das áreas de uso comum, as quais são pagas por meio de rateio. Em uma casa, tudo fica por conta de um único proprietário.

Por fim, há de se pensar sobre a questão da segurança: graças à portaria 24 horas, aos sistemas de monitoramento com câmeras e a outros recursos, os apartamentos têm conquistado a preferência dos consumidores.

Quais são as vantagens financeiras de ter uma casa própria?

Durante o percurso para a aquisição da casa própria, lições valiosas sobre economia e otimização da renda doméstica são aprendidas. Com a compra, propriamente dita, tem início a formação do seu patrimônio, o que representa segurança e estabilidade financeira. Afinal, em caso de necessidade, trata-se de uma generosa reserva de capital, que tanto pode ser vendida como alugada.

Além disso, em uma casa própria não existe a instabilidade gerada pela possibilidade de o locador pedir o imóvel de volta — situação a qual mesmo os bons pagadores estão sujeitos. Também não é preciso se preocupar com os possíveis reajustes no valor do aluguel, justificados por conta da valorização do imóvel no mercado imobiliário. Em uma casa própria, quanto mais o imóvel se valoriza, melhor para o seu dono.

Aliás, é importante mencionar que, quando se trata da casa própria, é possível fazer intervenções estéticas e manutenções conforme seus gostos e necessidades. Em imóveis alugados, por outro lado, muitas vezes as alterações são proibidas e, mesmo quando permitidas, ninguém deseja investir em algo que não é seu, agregando valor ao patrimônio de um terceiro.

Por tudo isso, sair do aluguel e adquirir a casa própria tem relação direta com a estabilidade financeira, maior tranquilidade e realização pessoal. Ao término do financiamento, os custos domésticos serão reduzidos e o orçamento permitirá gastar com outras necessidades e desejos.

Se você gostou deste artigo e tem interesse em mudar de vida, procure se manter por dentro das melhores oportunidades do mercado imobiliário. Aproveite e siga as nossas páginas nas redes sociais! Estamos no Facebook e no YouTube.