A declaração de imposto de renda é um período muito importante ao longo do ano, pois é o momento que a população brasileira se concentra para se regularizar e informar ao governo sobre os seus bens e investimentos ao longo do ano anterior. 

Por isso, é preciso ficar atento para não esquecer de nenhum detalhe no momento da declaração para não cair na tão temida malha fina, que, além de gerar custos extras para o contribuinte, dá um trabalho para regularizar a situação.

No post de hoje, vamos falar mais sobre como declarar imóvel financiado. Afinal, ele também é um bem e a sua aquisição precisa ser informada para a Receita Federal. Sabemos que muitas pessoas não sabem como fazer isso corretamente, já que é algo totalmente novo para elas.

Para ajudar nessa questão, preparamos um passo a passo rápido e fácil para que você possa entender como declarar imóvel financiado. Confira abaixo quais são eles.

Baixe o programa no site da Receita Federal

O primeiro passo é muito simples: baixar o programa que é oferecido pela Receita Federal no seu computador. Todos os anos, uma nova versão desse software é lançada para realizar a declaração e fazer o envio para a base da Receita.

Então, tenha em mente que, para iniciar esse processo é preciso contar com essa ferramenta em que será possível acessar a declaração do ano anterior e confeccionar a nova, que é referente ao ano vigente. Nela, você deve incluir todos os bens e fontes de renda que são aplicáveis, bem como o imóvel financiado.

Acesse a aba de “Bens e Direitos” e se prepare para o preenchimento dos dados

Agora, entramos no processo de entender, na prática, como declarar imóvel financiado de forma correta. Para isso, é preciso saber onde ele deve ser inserido. O caminho é simples, basta acessar a aba “Bens e Direitos” da ficha de declaração do IR.

Aqui, é preciso ter um pouco de atenção, pois se o imóvel é uma casa, deverá ser discriminado na linha 12, caso seja um apartamento, deverá ser utilizada a linha 11, já para a declaração de terrenos, a linha correta é a 13. 

No momento de descrever, não se esqueça de colocar todas as informações de forma detalhada. Estamos falando de informações referentes ao ex-proprietário, em qual data isso foi feito, além da matrícula do imóvel. 

No caso do imóvel financiado, é importante constar também de que forma esse pagamento será feito: número de parcelas, tempo que levará para ser quitado e instituição financeira que está concedendo o financiamento. Vamos falar mais sobre isso no próximo tópico.

Além disso, é importante mostrar qual foi o valor de entrada da compra, além dos valores referentes às parcelas que foram pagas. É preciso informar também se o imóvel foi adquirido na planta ou comprado de outra pessoa física.

Preencha o valor do imóvel corretamente

Um grande ponto de atenção está no preenchimento do valor do imóvel. Para se ter uma ideia, o campo que pede essa entrada se refere a quanto foi pago para adquirir a casa ou apartamento.

No caso dos imóveis que são comprados à vista, a maneira correta é preencher com 0 (zero) no espaço que diz sobre a situação no último dia do ano anterior. Depois, você deve preencher com o valor pago no campo que solicita a situação do imóvel no ano de declaração do imposto.

Já no caso em que o imóvel é financiado, o preenchimento funciona da seguinte maneira: você deve manter o 0 no campo que diz sobre a situação do imóvel no último dia do ano anterior e no campo que solicita a situação do imóvel no ano de declaração, o correto é inserir o valor pago até o último dia desse ano.

Por exemplo, se no ano passado você comprou um imóvel que vale R$200 mil, mas deu R$30 mil de entrada e o total das parcelas que pagou totalizou R$10 mil, você deve declarar somente R$40 mil nesse campo. Entendeu?

Lembrando que é preciso especificar o valor pago de forma completa, que corresponde a quanto custou a entrada e quantas parcelas foram pagas, além dos juros que estão sendo aplicados no financiamento.

Fique atento para as declarações do ano seguinte

Tenha em mente que não basta preencher o valor pago no imóvel somente na declaração do ano em que o financiamento se iniciou. É preciso preencher também o mesmo campo para os próximos anos, mas saiba que é mais fácil do que parece.

Nos anos seguintes, o que tem que ser feito é aumentar o valor do imóvel de acordo com as novas parcelas pagas no ano de declaração. Simples, não é mesmo? Somente não se esqueça de incluir também a taxa de juros e outros encargos do financiamento.

Inclua reformas, caso seja necessário

Caso seja preciso realizar uma reforma no imóvel, isso também poderá ser declarado na seção de “Bens e Direitos”, na linha 17 em que é intitulada Benfeitorias. Nesse espaço é possível especificar todos os gastos com a reforma, inclusive, há um campo para inserir comprovantes de serviços contratados e materiais de construções que foram comprados.

Inclusive, destacamos aqui que o valor do imóvel só poderá ser alterado quando houver reformas, pois é a única maneira de apresentar a valorização financeira na declaração enquanto está no processo de financiamento.

Não declare o imóvel como “dívidas e ônus reais”

Por fim, destacamos que uma dúvida muito comum é a questão do imóvel financiado entrar na categoria de dívidas e ônus reais. Saiba que não é preciso declarar nessa aba, já que os financiamentos do SFH (Sistema Financeiro de Habitação) não fazem parte desta categoria, além de o imóvel já ter sido cadastrado na categoria “Bens e Direitos”.

Esperamos que depois desse passo a passo você tenha ciência do processo de como declarar imóvel financiado no seu Imposto de Renda. Por mais que possa parecer um pouco complicado, basta seguir as instruções para declará-lo corretamente. 

Gostou deste post? O que acha, então, de compartilhá-lo com os seus amigos nas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso a esse conteúdo? Até a próxima!