Você está tentando há anos sair do aluguel e não sabe como economizar dinheiro? Mesmo passando o mês todo guardando tudo que pode e evitando fazer compras, ao fim do mês, você percebe que as coisas fugiram do controle. Já deu para perceber que você precisa de uma ajudinha para conseguir alcançar os seus objetivos, não é mesmo?

Se você está tentando fazer um planejamento financeiro eficiente, para aumentar as suas economias, preparamos um material completo para você mudar os seus hábitos de consumo e comportamento com relação ao dinheiro. Para se preparar, é importante que você entenda alguns conceitos e mude atitudes. Mas não se desespere, é possível, e seguindo o nosso guia completo você conseguirá economizar para comprar um imóvel.

Preparado? Então vamos lá!

Importância do planejamento financeiro para economizar dinheiro

Para alcançar os seus objetivos, dos mais simples aos mais ousados, é preciso planejamento. Pensar em cada detalhe para conseguir realizar os seus sonhos é a forma mais correta de agir para não deixar as oportunidades escaparem. A primeira coisa que você deve entender são os conceitos. Afinal, você sabe o que é um planejamento financeiro? Vamos começar a entender melhor o que é e por que é tão eficiente. Acompanhe!

O que é planejamento financeiro?

Essa é uma ferramenta administrativa utilizada tanto para pessoas físicas e jurídicas quanto para empresas públicas e privadas. Nada mais é que um processo de organização das finanças, que acontece a partir do reconhecimento de toda situação financeira atual, definição de metas e objetivos, além de traçar quais os caminhos serão percorridos para alcançá-los.

É uma visão mais global de todas as finanças da pessoa ou família, na qual podem ser definidas as diretrizes para conquistar os objetivos desejados. Diante do cenário, é criada uma estratégia reajustável, para que tudo fique no controle e não haja desvios na rota para atingir as metas.

Para quem está pensando em investir em um imóvel, entender e aplicar esse conceito é fundamental para conseguir economizar o dinheiro necessário, tanto para a entrada quanto para manter as prestações de um financiamento em dia.

Como fazer um planejamento financeiro

Você já ouviu falar em estabilidade financeira? É disso que estamos falando quando alguém almeja ter condições de comprar e pagar tudo que precisa, sem precisar se apertar ao longo dos meses para pagar as dívidas.

Alcançar a tão almejada estabilidade, é saber que, mesmo em situações críticas, as suas finanças estarão sob controle e que você não entrará em dívidas para se manter. E aí surge a incrível pergunta: é possível ter uma estabilidade econômica em um país que passa por constantes crises?

A resposta é sim, basta você fazer um bom planejamento financeiro e estruturar todas as suas tomadas de decisões embasadas nas suas conquistas e não nas promessas de sucesso futuras. Quer uma ajuda para começar a criar o seu planejamento financeiro? Ele vai nortear as suas metas e as diretrizes para alcançar os seus objetivos. Vamos lá?

Organize-se

O primeiro passo é a organização, já que para comprar um imóvel você precisará comprometer uma parte da sua renda, por um longo período. Por esse motivo, é muito importante estar preparado e estruturado para a compra. Então, organizar as finanças é o seu primeiro objetivo. Ou seja, você precisa entender tudo que entra e sai das suas contas, as necessidades de cada gasto e qual a lista de supérfluos que pode ser retirada da sua rotina de gastos.

Faça uma planilha, não deixe nenhum gasto de fora, mesmo que sejam apenas centavos. Essa experiência de trabalhar com todas as casas decimais do seu salário mostrará, na prática, que você pode gastar tudo, sem perceber, de pouco em pouco.

Com tudo detalhado, você poderá ter um panorama da sua vida financeira. Pode entender todos os gargalos e quais as possibilidades de otimizar a sua poupança. Por isso, essa é a sua primeira tarefa para conseguir alcançar a sua independência financeira.

Analise sua renda

Agora, que você tem uma visão geral da sua vida financeira, analise a sua renda. Entenda o que você tem condições de pagar à vista, quais são as suas necessidades de parcelamento e financiamento. Você precisa evitar dívidas, então, sempre que possível, só compre se tiver dentro do seu orçamento no momento do negócio.

Com essa visão geral da sua renda, você também poderá entender se precisa complementar o seu orçamento, com novos trabalhos ou projetos extras que possam trazer mais dinheiro para somar a suas economias. Se você é casado ou tem planos em conjunto, faça o detalhamento da renda familiar, isso será importante na hora da compra do imóvel.

Com relação a adquirir um imóvel, nem sempre é possível fazer a quitação à vista. Então, você precisa avaliar todas as outras opções de compra como financiamento e o consórcio. Vamos entender melhor sobre essas possibilidades?

Financiamento

Se você está programando fazer um financiamento de imóveis nos próximos meses, tenha em mente que, essa é a melhor opção de pagamento para aqueles que não tem o dinheiro todo para a compra à vista. Mas o ideal é que você consiga se organizar, para dar o maior valor possível de entrada, para amenizar a sua dívida.

Com base na sua realidade financeira, estipule um valor médio para gastar com o imóvel. A partir daí, poupe pelo menos 30% desse valor para pagar à vista, como a entrada pelo negócio. Isso é muito importante, já que, quanto menor for o valor financiado menor será o número de prestações e, consequentemente, você pagará menos juros ao banco.

Outro fator importante que você precisa saber, os bancos não liberam financiamentos nos quais o valor da prestação mensal compromete mais que 30% da renda do contratante. Isso é uma regra para as instituições que oferecem financiamento, por isso, você não conseguirá mudar esse fator.

Para você ter mais tranquilidade financeira, nesse período que estará pagará pelo imóvel, é importante que você consiga amortizar parte do valor do imóvel na entrada, para comprometer apenas 20% do seu salário com o pagamento da prestação.

Você também poderá usar o seu Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para ajudar a pagar a entrada do imóvel. Pesquise as formas de utilização junto aos bancos e busque a melhor taxa de juros antes de fechar o negócio.

Consórcio

Se você está planejando a compra do seu imóvel a longo prazo, o consórcio está ganhando bastante força no mercado, justamente porque oferece custos mais baixos para os clientes. Isso acontece porque, nessa modalidade de compra, o consorciado não paga taxa de juros.

Como não existe a antecipação do valor para a compra do imóvel, o cliente não paga, pois não é um empréstimo. Na prática, o consórcio é uma poupança realizada em conjunto, quando todos os participantes têm o mesmo desejo de compra em comum. Ou seja, você compra uma cota de uma carta de crédito com um valor fixo estipulado. Esse valor, que será o montante poupado para a compra do imóvel, é dividido pelo número de parcelas que esse grupo de pessoas deseja pagar.

Nesse valor, é acrescido uma taxa de administração de contrato, que varia de 10% a 20% do valor da carta. Assim, é formado o valor da parcela mensal que o consorciado paga. Ao longo do período, ele pode ser contemplado com a carta de crédito, mas continuará pagando as prestações até o fim do contrato.

A grande dificuldade do consórcio está na necessidade de contar com a sorte para ser contemplado em um sorteio e poder comprar o imóvel mais rápido. Senão, é preciso esperar todo o tempo estipulado para ter acesso à carta de crédito e comprar o imóvel à vista.

Você precisa ter bastante cuidado ao escolher a sua empresa administradora de contrato. Ela precisa ser idônea e ter uma grande estabilidade. O consórcio já foi um carrasco há algumas décadas, justamente porque as empresas faliam e os clientes perdiam todo o dinheiro.

Diminua os gastos

Agora, que você já sabe tudo que precisa fazer para alcançar o sonho de comprar o seu imóvel, é necessário realizar as mudanças plausíveis que você observou no seu comportamento como consumidor. Comece por diminuir os gastos e cortar alguns custos extras que consomem parte do seu salário.

Ninguém está dizendo que você precisa trabalhar e juntar todo o dinheiro, sem poder se divertir ou viajar, por exemplo. O que você precisa ter é consciência na hora de gastar. Planejar as suas compras, viagens, programar quais serão as suas necessidades dentro de um período, tudo isso, para você não perder o controle das suas finanças.

Estabeleça prioridades financeiras

Se você sabe o que quer e agora sabe como chegar lá, é hora de colocar em prática tudo que aprendeu! Defina quais são os compromissos financeiros que você não pode deixar de pagar. Confira alguns exemplos:

  • aluguel;
  • impostos;
  • contas básicas da casa (água, luz, internet);
  • alimentação;
  • transporte;
  • lazer.

Isso é o mínimo que uma pessoa adulta precisa para sobreviver! Por isso, coloque todos esses custos fixos na parte superior da sua tabela, para que você tenha mais atenção a esse detalhe. Claro, se você mora com os pais e não precisa pagar aluguel, por exemplo, já estará em vantagem na hora de poupar.

Para estabelecer uma prioridade, você pode definir os fatores que não podem faltar na sua rotina. Festas, baladas e viagens podem ser uma prioridade para você, mas que você poderá abrir mão momentaneamente para alcançar os seus objetivos maiores. Coloque em prática, defina o que você pode ou não cortar do seu orçamento de gastos mensais.

A importância da definição de metas financeiras alcançáveis

Definir metas é o principal passo para o sucesso das conquistas. Por isso, você precisa ter bastante clareza de quais objetivos você almeja atingir, para saber quais serão os passos necessários para alcançá-los. Para ajudar você a definir as metas, vamos entender o que elas são e como chegar ao seu objetivo. 

Como definir metas financeiras?

Se você tem um objetivo de juntar R$ 100 mil para comprar o seu primeiro imóvel, saiba que essa meta é ousada a não ser que seu salário seja mais de R$ 10 mil por mês. Bom, se esse não é o seu caso, você precisará alcançar o seu objetivo de algum modo.

Sabendo que você poderá levar muitos anos para juntar todo esse dinheiro, você pode recorrer ao financiamento ou consórcio para ajudar a atingir a sua meta. Se você define que precisará, nos próximos 3 anos (36 meses), economizar R$ 30 mil reais para dar de entrada no valor do imóvel, você precisará de uma meta para alcançar esse objetivo.

Você poderá traçar os caminhos para alcançá-lo. Então, coloque as opções que você tem para atingir a meta:

Esses são só alguns exemplos de como você pode alcançar o seu objetivo ao final do 3° ano e conseguir dar um bom valor de entrada no imóvel. Você ainda tem a opção de comprar imóvel pronto ou na planta, assim você tem mais uma possibilidade de usar outros meios para alcançar a sua meta.

Se você procura uma casa ou apartamento que ainda esteja na planta, você pode pagar prestações mensais da entrada. Isso é uma forma de poupar também! Só que dessa maneira você não vê o dinheiro, mas já está amortizando a dívida de compra do seu imóvel.

O que são metas alcançáveis?

Nós precisamos lidar diariamente com aquilo que sonhamos e com o que realmente podemos alcançar. Isso é uma questão de bom senso. Se o seu salário é de R$ 3 mil, você pode comprar uma Lamborghini em 48 prestações? É praticamente impossível, salvo se você ganhar na loteria nesse período!

Por isso, para não ter frustrações no meio dessa jornada, defina metas alcançáveis, aquelas que são reais. Baseie-se no tempo que você levará para poupar o dinheiro. Defina valores alcançáveis e em períodos plausíveis.

Não se preocupe que você só conseguirá realizar alguns sonhos a longo prazo, você terá mais tempo para trabalhar neles. Então, programe-se para curto, médio e longo prazo, assim você conquistará as suas metas em diversos períodos da sua vida e terá uma sensação ainda maior de sucesso.

Dicas sobre como economizar dinheiro no dia a dia

Como nós vivemos um dia após o outro, não podemos pensar apenas em períodos, como meses e anos. A economia tem que acontecer diariamente, para que no fim do mês você veja os resultados. Por isso, separamos algumas dicas interessantes para você escapar de gastos desnecessários.

Pesquise antes de comprar

Com a internet a sua mão, não saia comprando apenas porque você achou que estava barato. Pesquise tudo antes de comprar, assim você vai ser fazer um negócio pelo menor preço.

Não contraia uma dívida para quitar outra

Esse é o chamado efeito bola de neve. Você nunca sai das dívidas porque está sempre adquirindo uma nova para quitar a anterior. Se você estiver endividado, economize e reduza os gastos para poder quitar a sua dívida. Só faça um empréstimo, por exemplo, se os juros forem mais baixos que você está pagando atualmente.

Não deixe as luzes acesas

Sim, economize energia, você perceberá uma grande diferença no seu bolso no fim do mês. Faça a troca de lâmpadas fluorescentes pelas de LED, elas são mais econômicas.

Evite reformas

Às vezes, as pessoas não resistem a reformar toda a casa. Parece que isso traz uma sensação de renovação. Não deixe de mudar, só deixe de gastar. Opte pelos móveis velhos e restaure o que for preciso, para dar aquele toque a mais na sua decoração.

Faça listas para ir ao supermercado

Essa dica é valiosa! Lembra-se do velho ditado que nunca devemos visitar o supermercado quando estamos com fome? Isso é a maior verdade! Sempre que você for às compras, faça uma lista com que você, de fato, precisa. Não saia enchendo o carrinho somente pelo prazer de comprar, isso geralmente custa caro!

Abandone o cartão de crédito

Uma das maravilhas do mundo moderno foi a criação do cartão de crédito. Ele permite que o consumidor possa gastar a qualquer momento, mesmo que ele não tenha o dinheiro. Isso também fez com que crescesse assustadoramente o número de endividados. Por isso, prefira dinheiro e não use cartão.

Fique atento aos gastos residenciais

Vamos entender como internet, telefone e TV a cabo. Parece natural que você tenha essas comodidades a sua mão em casa. Por isso, procure fazer um plano no qual você pague menos pela utilização desses serviços. Tente economizar o máximo possível com esse tipo de gasto!

Tenha cuidado com gastos com combustível do carro

Aqui, você pode identificar outro grande gargalo que consome uma boa parte do seu orçamento. Muitas vezes, não é com a manutenção que você gasta o seu dinheiro, mas sim, com o combustível. Por isso, fique atento à calibragem dos pneus ou qualquer falha mecânica que leve ao aumento do consumo. Tente compartilhar as caronas e não saia dirigindo sem rumo, isso tudo custa caro!

Não use as compras como consolo

Não adquira o hábito de contrair dívidas ou fazer compras porque está triste ou desapontado. Comprar não é um consolo para os seus problemas e nem vai aliviar a sua dor. Pelo contrário, evite mais problemas se você já estiver de cabeça cheia.

Saiba dizer não

Não seja tão bonzinho quando as pessoas oferecem produtos ou serviços. Pense se eles são realmente necessários para você. Não saia comprando só porque ficou seduzido pela oferta ou porque não sabia como dizer não para o vendedor. Eles percebem que você está encurralado, por isso forçam a venda.

Seja o rei do desconto

Isso não é mais sinônimo de ser pão-duro. Pedir desconto é um direito do cliente, principalmente se você estiver comprando à vista. Caso contrário, se não tiver desconto e não for pagar juros, opte por quitar parcelado, isso acaba fazendo você pagar menos pelo bem que está adquirindo.

Onde investir o dinheiro economizado

Quando você chegar à estabilidade financeira, você terá o prazer e a possibilidade de investir o seu dinheiro. Ou seja, você não vai mais poupar com o objetivo de atingir uma meta e sim como forma de investimento. Essa é a hora que você pode comprar imóveis para aumentar a sua renda, como recebendo aluguéis, por exemplo. Você também pode investir em títulos e ações a longo prazo, que são mais rentáveis para o consumidor.

Na estabilidade financeira você está do outro lado da mesa, na posição de quem está negociando o dinheiro para receber os juros. Você para de pagar juros, você negocia com o poder de compra. Quando você gasta menos do que ganha, você pode ter mais opções, inclusive pensar na sua aposentaria e se preparar para essa mudança financeira na sua vida.

Ao longo da sua vida útil, você poderá investir em:

  • ações;
  • bolsa de valores;
  • títulos públicos;
  • compra de imóveis.

E você não precisa ter muito dinheiro sobrando ou ser rico para ser um investidor. O planejamento financeiro é a ferramenta para levar você à estabilidade. Planejar, organizar, traçar metas e objetivos, tudo isso tornará a sua tarefa de economizar dinheiro para comprar um imóvel um pouco mais simples. Você vai precisar abrir mão de algumas coisas no caminho, mas no fim, você vai conseguir.

Coloque no papel quais são os seus objetivos a curto, médio e longo prazo, e faça o seu planejamento financeiro para alcançar essas metas. Não seja ousado, seja real. Defina o que você pode fazer, diante da sua realidade financeira para atingir esses objetivos.

Com o seu planejamento feito, mãos à obra, basta você caminhar seguindo aquilo que você definiu nos seus planos de ação, que, com certeza, você conseguirá. Utilize todas as dicas e informações deste conteúdo para entender e aplicar as mudanças necessárias para que você consiga economizar e comprar o seu imóvel.

E aí, gostou deste guia sobre como economizar dinheiro? Então aproveite a visita em nosso blog para assinar a nossa newsletter! Assim, você receberá informações atualizadas direto na sua caixa de entrada.